Ruptura FORa

Parece que a Ruptura/FER, o último crepúsculo verdadeiramente anti-parlamentar dentro do BE, decidiu abandonar o Bloco. Brevemente, dizem, formarão um novo partido político.

 

Para além de se terem precipitado para uma inevitável e eterna auto-exclusão, há um ou dois aspectos que são minimamente interessantes de analisar. A saber:

–       Mesmo sendo este grupo de longe o mais radical do BE de até agora, a verdade é que o argumento que apresentaram para a sua saída – a ausência de debate interno e a manutenção a todo o custo de uma direcção tornada autista por não ter tirado as devidas lições dos últimos resultados eleitorais – não deixa de ser plausível. A resposta aos resultados das últimas eleições (que constituíram o primeiro recuo do BE nas intenções de voto desde a sua primeira eleição para a AR) mostrou uma direcção que, surpreendida, decidiu deixar tudo como está. Este imobilismo foi amplamente criticado, e muito mais por muitos outros sectores que a esquerda do BE. Seria desejável que esta acção mais vincada da Ruptura/FER marque uma mudança na direcção.

 

–       Essa mudança de direcção não deve ser, contudo, na direcção da Ruptura/FER. Antes pelo contrário. O comportamento do BE nos últimos anos (como aliás tem sido repetido por um leque abrangente de comentadores) tem sido de um típico partido de protesto, sem nenhum contributo palpável, à excepção das questões fracturantes, para a resolução dos inúmeros problemas que Portugal (e, porque não?, a Europa) enfrenta. No entanto, o BE não despiu nem a esquerda nem a sociedade, de preconceitos. Despiu parte da esquerda de credibilidade, sobretudo. Agarrados a uma vulgata ultrapassada pelo tempo, o BE não fez mais nada do que folclore em doses de intervenções parlamentares de três minutos e outdoors visualmente atractivos.

 

A meu ver, o BE pode aproveitar esta altura para fazer o que já devia ter feito – a altura ideal seria na ressaca das últimas eleições legislativas: apurar as causas que levaram à queda de apoiantes e apontar uma nova direcção composta maioritariamente por elementos da geração pós-criação, com novas ideias, novos rumos (curiosa expressão, esta). Há espaço para o BE em Portugal, sim; mas não como partido de protesto. A solução ideal para o BE, na minha opinião, seria seguir um rumo próximo dos Verdes alemães: sem arrepiar necessariamente caminho das suas convicções, assumir um comportamento mais responsável e, por uma vez, tomar parte da solução. Se o BE se transformar num BE governamentável, talvez nessa altura olhe menos para o Bloco como uma sortido  de radicais e mais como um projecto interessante. E credível, sobretudo.

 

About Rodrigo Vaz

My life is pretty much like my hair. It's a mess and I know it could be a lot better. I just don't know how. Ver todos os artigos de Rodrigo Vaz

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: